O Vinho do Porto é um dos vinhos clássicos do mundo, desde a Europa até às Américas. Hoje em dia, por todo o mundo, já é possível encontrar garrafas de diversas marcas de Vinho do Porto distribuídas pelas prateleiras dos diversos supermercados.

Nem sempre foi assim, a história do Vinho do Porto passou por diversos momentos mas, sem dúvida, que o início da comercialização internacional no ano de 1678 veio dar um novo ênfase a este vinho fantástico.

A partir de 1790, com a facilitação na navegabilidade do Rio Douro, começaram a aparecer algumas das melhores quintas do Douro, entre elas a Quinta de Vargellas, que mais tarde seria adquirida pela empresa Taylor’s. A elevação destas grandes quintas de grande mérito e a extrema qualidade dos seus vinhos fez muito para reforçar a reputação do vinho do Porto nos mercados externos.

Taylor's Port Wine

Feito a partir das melhores uvas do Douro, é incontornável que este vinho é único e inconfundível: o clima, a localização, o terroir e o processo de produção conferem-lhe características irrepetíveis noutro qualquer lugar do planeta. Em nenhum local do mundo é possível fazer um Vinho do Porto como o que é produzido no Douro, em Portugal e, só por isso, já é um grande vinho.

No entanto, há muito mais para além disso – existem todos os sabores, toda a história, todo o percurso de um vinho, desde a plantação da uva até que o vinho chega finalmente ao seu copo para ser saboreado.

 

O Douro e as suas castas

Há dois mil anos que se produz vinho na região do Douro, sendo uma das mais antigas e mais belas regiões vinícolas europeias. Um aspecto interessante sobre o Douro é que, mesmo estando em constante mudança, a sua essência mantem-se inalterada ao longo do tempo.

No website da Taylor’s Port, podemos ler que “..Muito embora cerca de trinta variedades de uva possam ser usadas para fazer vinho do Porto, as vinhas mais modernas são normalmente compostas de uma selecção de cinco ou seis castas tintas de alta qualidade, geralmente reputadas por produzir os melhores vinhos. Algumas outras castas podem ser adicionadas em porções mais pequenas, quando condições específicas de cultivo assim o exijam. Por exemplo, a Touriga Nacional prospera nos solos pedregosos, pouco profundos e em pleno sol. A Touriga Francesa prefere locais férteis e proteção contra ventos fortes. A Tinta Barroca, por seu turno, produz os seus melhores resultados nas encostas mais frescas, orientadas a norte ou a leste, e em locais com menor exposição à luz solar.”

 

Estilos de Vinho do Porto

Enquanto uma das grandes casas produtoras, a Taylor’s foi pioneira na elaboração de novos estilos de Vinho do Porto, ao longo dos anos, como por exemplo o Late Bottled Vintage ou o Branco Seco (Chip Dry). Os Vinhos do Porto podem ser divididos em 2 grandes grupos: os que envelhecem em madeira e os que envelhecem em garrafa.

Os vinhos do Porto que envelhecem em madeira:

  • Ruby, Ruby Reserva e Late Bottled Vintage
  • Tawny 10, 20 30 e 40 anos ou com indicação de idade
  • Brancos Seco ou Doce

Os vinhos do Porto que envelhecem em garrafa:

  • Vintage
  • Crusted

Normalmente, cada estilo de Vinho do Porto é associado a um momento especial, a um prato gastronómico ou a uma celebração específica. No entanto, são tantos os estilos e os sabores que, hoje em dia, podemos apreciar um Vinho do Porto diferente quase todos os dias.

 

Vinho do Porto e Gastronomia

As associações gastronómicas com Vinho do Porto não são fáceis de adivinhar, porém, são deliciosas de experimentar. Seguimos os conselhos da Taylor’s Port e deixamos aqui algumas dicas para que possa saborear o Vinho do Porto de uma forma plena e agradável.

 

Vinho do Porto Vintage

Taylor's Vintage Port Wine

“A associação do vinho do Porto Vintage com queijos azuis velhos, como o Stilton, é uma das clássicas combinações de vinhos. A textura macia e amanteigada, ao mesmo tempo suave e picante do queijo associam na perfeição com os sabores poderosos e imponentes do Porto Vintage.”

 

Vinhos do Porto Tawny

Taylor's Port 20 anos

“O Tawny 10 Anos servido fresco é um delicioso aperitivo, mas é também um bom par para um queijo duro e com sabores a frutos secos, ou uma sobremesa como tarte de maçã, tarte tatin, figos no forno, tarte de laranja, tarte de caramelo ou morangos em calda com pimenta. O Tawny 20 Anos é excelente com leite creme queimado, bolo de mel e amêndoa e queijos como o Parmesão e o Manchego. Os veneráveis 30 e 40 Anos não precisam de acompanhamento; apenas tempo para saboreá-los e uma confortável cadeira de braços.”

 

Vinhos do Porto Ruby

Taylor's LBV Port Wine

“Os vinhos do Porto Ruby são a companhia ideal para uma tábua de queijos, sobremesas de chocolate ou mesmo para uma redução intensa de vinho do Porto. Acompanham bem queijos de sabores intensos como um cheddar artesanal ou um Red Leicester. O Late Bottled Vintage é elegante e frutado, harmonizando na perfeição com um queijo de cabra como um Valençay fresco ou um Sainte-Maure. À medida que a textura densa e quebradiça do chèvre se dissolve ao entrar em contacto com o vinho, a fruta madura e opulenta do LBV funde-se com os sabores ricos e acídulos do queijo numa sinergia sublime. Os amantes das sobremesas devem apreciar o LBV com um fondant de chocolate quente com gelado ou porque não com um bolo de chocolate com molho de framboesa.”

 

Vinho do Porto Branco

Taylor's Chip Dry Port

“Os vinhos do Porto Brancos são excelentes para regar uma sopa quente, ou para um long drink servido num copo alto, ou ainda para acompanhar uma sobremesa gelada.”

 

Após estas descrições tão detalhadas e saborosas, ficamos com uma enorme vontade de visitar uma Quinta no Douro ou então fazer uma visita guiada numa das Caves de Vinho do Porto, em Vila Nova de Gaia.

Sugerimos uma visita à Taylor’s, com visitas guiadas em diversas línguas e uma paisagem belíssima sobre o Rio Douro.

Taylor’s Port Cellars: https://www.taylor.pt/pt/visite-a-taylors/as-caves